“Fábricas de água”

O Piauí, como de resto todo o Nordeste e mesmo boa parte do Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, vive uma crise hídrica sem precedentes. No nosso caso, nem mesmo o fato de estarmos numa região de transição nos salva dessa condição, ainda que a maioria de nosso território esteja na bacia do rio Parnaíba e tenhamos algumas das mais importantes reservas subterrâneas do Nordeste. Geólogos, geógrafos e ambientalistas têm razão quando dizem que a ação humana foi deletéria para manter em níveis adequados os nossos mananciais superficiais e subterrâneos. Ao usar a água de modo irracional e irresponsável, além de desmatar nascentes e matas ciliares, sufocar lagoas e não cuidar de barragens, diminuímos a água disponível para manter os níveis de rios e, sobretudo, dos aquíferos e lençóis freáticos. É dever de governos agora cuidar para que se restabeleçam as “fábricas de água”, recompondo as matas ciliares, recuperando nascentes, manter desassoreados os rios, formações lacustres e barragens artificiais. Há um sem número de experiências que mostram a eficiência de se conservar nascentes e matas ciliares. Se isso está comprovado, parece burrice ou cegueira que os governos, em todos os seus níveis e a sociedade em toda sua extensão não estejam mobilizados para garantir que se faça o que é certo fazer.

Secretário Francisco Lima cede maquinários para DNOCS perfurar poços
Secretário Francisco Lima cede maquinários para DNOCS perfurar poços

Aplauso
Boa decisão tomada por Francisco Lima (Desenvolvimento Rural), cedendo ao Dnocs no Piauí uma máquina perfuratriz de poço, com capacidade de atingir até 500 metros de profundidade. Além da máquina, foram cedidos um caminhão, as ferramentas e acessórios para o funcionamento da perfuratriz.

Investimentos
O Piauí precisaria de investimentos de R$ 450 milhões para garantir abastecimento de água satisfatório à totalidade de seus municípios. A informação está no Atlas Brasil de Abastecimento Urbano da Agência Nacional de Águas. É de 2015.

Problema
Segundo o documento, dois anos atrás, somente 34 municípios (15% do total) apresentavam condições de abastecimento satisfatórias para o atendimento das demandas futuras.

Dinheirama
Assim, 190 municípios precisam de obras que somam investimentos totais de R$ 414 milhões em abastecimento de água. Devido à grande disponibilidade hídrica dos aquíferos, preveem-se soluções visando à adequação do sistema produtor mediante perfuração de poços para 115 sedes urbanas (51% do total), correspondendo a investimentos estimados em R$ 115 milhões.

Precatórios
Na semana passada, o governador Wellington Dias assinou decreto abrindo um crédito suplementar de R$ 81,5 milhões, a maior parte destinada a pagamento de sentenças judiciais: R$ 58,3 milhões.

Multidão
No final deste ano, o número de aposentados e pensionistas do Estado deve superar em quase três mil a quantidade de servidores em atividade. Isso deve agravar as dificuldades fiscais do Piauí, porque somente se paga previdência sobre o que supera R$ 4,5 mil de proventos recebidos e a maioria dos aposentados e pensionistas recebe menos que isso.

Desequilíbrio
Ainda que o número de aposentados e pensionais seja maior, o custo da folha salarial deles é menor que do pessoal em atividade. No entanto, a Previdência do Estado não tem dinheiro para cobrir o valor pago. Todo mês, o Tesouro estadual aporta cerca de R$ 80 milhões nessa conta. O déficit neste ano será de R$ 1,04 bilhão.

Líquido precioso
João Madison é o feliz dono de um touro reprodutor que, somente neste ano, já produziu 1,5 mil ampolas de sêmen para inseminação de vacas de alta linhagem. Como o valor médio é de R$ 30, o deputado peemedebista pode estar ganhando mais dinheiro com o touro do que com vacas leiteiras.

Barco
A Secretaria de Turismo do Piauí pretende comprar um catamarã. Segundo consta no aviso da licitação, o barco será usado “a serviço de turismo no estado”. Não se pode saber o custo da licitação porque o edital não está disponível em nenhum site do governo.

Fiasco
Nos governos Lula e Dilma, o BNDES usou dinheiro público para financiar os chamados “campeões nacionais” – empresários que iriam alavancar e internacionalizar a economia brasileira. Sabe-se agora que a aposta foi um blefe.

Xilindró
Além de o dinheiro público ser desperdiçado, numa inversão do que deve ser o seu uso, a política de emprestar dinheiro terminou em cana. Entre os campeões nacionais, já puxam cadeia Eike Batista, Marcelo Odebrecht e André Esteves. Agora é questão de dias para que os irmãos Joesley e Welley Batista também cheguem ao xilindró.

Coisa da direita
Impressionando é o BNDES sob liderança de Luciano Coutinho tenha financiado o setor privado enquanto se arruinava o setor público, com a depauperação de empresas como a Petrobras e a Eletrobras. Não é por nada não, mas esse tipo de ação parece coisa de direita e não do PT.

Ping Pong

Cidade americanizada

Juratan Moura, sócio da S/A Propaganda, liga no sábado para seu sócio Siqueira Campos, um tanto quanto apreensivo porque viu numa rede social que o amigo Álvaro Luís, assessor de Wellington Dias, parecia ter viajado às pressas para os Estados Unidos.
Juratan: “Siqueira, o Álvaro está nos Estados Unidos?”
Siqueira: “Não que eu saiba”
Juratan: “Não é que vi aqui uma postagem dele feita de um hotel chamado Califórnia”.
Siqueira: “Não é nada disso. Esse hotel fica em Piripiri, onde também tem o hotel Texas e um bar onde os banheiros são sinalizados com as expressões he para homens e she para mulheres”.

Expressas

R$ 820.969,78 é quanto a Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer aplicará na pavimentação de 7.000m² de ruas em Isaías Coelho.

R$ 843.276,81 é o valor de obra de pavimentação na zona rural de Barras, cuja licitação ocorre hoje na Coordenadoria de Combate à Pobreza Rural.

R$ 3.849.861,08 é o valor previsto para licitação que a Prefeitura de Miguel Alves faz hoje para asfaltamento de vias públicas da cidade.