Segunda Carta Aberta ao governador Wellington Dias

Governador Wellington Dias, depois de amanhã, dia 25 de janeiro,  são decorridos trinta dias em que a família do cantor Evandro Costa foi destroçada.

Qual a atidude que Vossa Excelência tomou nesses últimos trinta dias para, pelo menos, minorar as agruras que essa família  passou a viver após aquela noite trágica, onde agentes do Estado do Piauí, sem mais nem menos, fuzilaram um carro parado, ocupado pelo casal Evandro Costa e suas três filhas?

Como a vida do cidadão comum parece não valer  coisa nenhuma,  neste  Estado comandado por Vossa Execlência, governador Wellington Dias?

Use do poder discricionáio- PODER DISCRICIONÁRIO , É A PRERROGATIVA LEGAL CONFERIDA À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA A PRÁTICA DE DETERMINADOS ATOS ADMINISTRATIVOS COM LIBERDADE NA ESCOLHA DE SUA CONVENIÊNCIA, OPORTUNIDADE E CONTEÚDO" que o senhor enfeixa em suas mãos, e indenize o mais rápido possível essa  humilde família,  que tinha como meio de subsistência a atividade que o pai da pequena Émily, Evandro Costa exercia como cantor e que agora se encontra impedido de exercê-la, já que, uma das balas que o atingiu, danificou por completo a audição de um dos seus ouvidos.

Governador Wellington Dias, onde se encontram os seus férreos princípios cristãos, que, diante de tamanha selvageria não os sensibilizam, e o induz  à prática desse ato  de justiça , pagando uma idenização de imediato e estabeleçendo  uma pensão à essa família desassistida por todos os poderes constituídos deste Estado?

É só uma questão de justiça,  Governador Wellington Dias, dependendo apenas, da sua boa vontade e determinação.

É isso.