Disputa por cabos eleitorais e lideranças políticas dentro da base governista abre guerra interna

Georgiano, acima, está na mira dos colegas pelo aliciamento de cabos eleitorais
Georgiano, acima, está na mira dos colegas pelo aliciamento de cabos eleitorais

Antes mesmo das eleições para a Assembléia Legislativa do Piauí, que irão acontecer daqui a pouco mais de 1 ano, a campanha eleitoral já foi deflagrada com a disputa por cabos eleitorais e lideranças políticas municipais, incluindo prefeitos e vereadores, entre os deputados estaduais e candidatos a deputado. Em meio a essa campanha antecipada, sobram acusações de deputados a deputado e a candidatos de invasão de colégios eleitorais e aliciamento das lideranças que os apoiaram na última eleição.

Um caso de acusação direta ocorreu num almoço na quarta-feira (20) em restaurante da cidade no qual estavam presentes os deputados Júlio Arcoverde, presidente do PP, Edson Ferreira (PSD), Lisiê Coelho (PTB) e Gustavo Neiva (PSB). A conversa entre eles era sobre eleição e o avanço nos colégios eleitorais. E o alvo era o deputado Georgiano Neto (PSD), acusado de invadir os colégios deles para aliciar os líderes. Na conversa firmaram um compromisso de dar uma prensa no “invasor”.

Outro caso de reação se deu contra o secretário de Administração do governo do estado Franzé Silva. Candidato a deputado estadual, Franzé foi acusado pelo deputado Cícero Magalhães de ter-lhe tomado dois colégios eleitorais. Magalhães não ficou acomodado – procurou o governador Wellington Dias e queixou-se da atitude do colega petista e pediu providências. Dias prometeu intervir e Magalhães disse depois que Franzé deixou os seus colégios sossegados.

Mas o avanço de Franzé não se dá apenas nos colégios onde são votados os petistas. O deputado Júlio Arcoverde, por exemplo, irritou-se com a investida de Franzé em cidades onde é votado e nas lideranças que o apoiaram em 2014 e continuam apoiando para 2018. Para ele, atitude como essas, prejudicam a boa relação de união entre o PP e o PP, já que seu partido apóia o governo e estarão juntos em 2018. Júlio espera que o governador aja para conter este tipo de ação.