Thor 3 poderia ser bem menos engraçado

O filme tem ação de sobra e um final, particularmente espetacular

Thor Ragnarok (EUA, 2017) não é ruim, mas poderia ser bem melhor, essa mania da Marvel/Disney colocar humor em seus filmes está ficando um exagero sem tamanho e às vezes, o filme fica insuportável (como nos diálogos com o Hulk) mas calma, o filme não é tão chato como Guardiões da Galáxia 1 e 2 nem esquecíveis como os Quartetos Fantásticos (2005 e 2007), o terceiro de 2015 tem a honra de ser o pior filme de HQ da história.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Mas Thor 3 tem ação de sobra e um final, particularmente espetacular. Desta vez, o nosso herói tem que lutar contra a meia-irmã Hela (Cate Blanchett, se divertindo como nunca) que quer destruir Asgard (Ragnarok é fim do mundo para os nórdicos) mas ao mesmo tempo é capturado e encontra o Hulk num planeta arena, citação direta da HQ que rendeu uma animação bem bacana – Planeta Hulk.

Daí pra frente muita porrada, a destruição completa dos três mosqueteiros de Asgard, quero saber como vão ressuscitar os caras, até o final apoteótico. E quando chega o grand finale, o que posso dizer ( sem contar muito) é que ele mostra a perspectiva em quatro tempos de combates fatais para a sobrevivência da franquia.

Meu filho adorou Thor, vou esperar que ele cresça um pouquinho mais para lhe mostrar Batman Cavaleiro das Trevas e Capitão América – Soldado Invernal, para mim, as mais perfeitas adaptações de HQ de todos os tempos.