Hamlet


Hamlet...( o resto é silêncio).



Comecei precariamente a estudar a obra de
 William Shakespeare, principalmente, Hamlet.

Gostei de um dos trechos da peça, quando o personagem chamado Polônio aconselha seu filho Laertes.

Ressalto que Polônio era um homem considerado vazio e tagarela, uma pessoa excursionista da sabedoria para outros,um homem que  ninguém o suportava, porém, na cena três do primeiro ato Polônio diz ao seu filho Laertes os conselhos mais preciosos de uma vida (a genialidade de Shakespeare pequeno texto que estaria escondido no meio de sua obra ).

Este texto da obra de William Shakespeare os conselhos de Polônio a Laertes foi traduzido pelo grande Millor Fernandes. E divido com vocês:

"LAERTES: Não se preocupe comigo.

Mas já me demorei muito. E aí vem meu pai, (Entra Polônio.)

Uma dupla bênção é uma dupla graça.

Feliz por despedir-me duas vezes.

POLÔNIO: Ainda aqui, Laertes! Já devia estar no navio, que diabo! O vento já sopra na proa de teu barco;

Só esperam por ti. Vai, com a minha bênção, vai!

(Põe a mão na cabeça de Laertes.)

E trata de guardar estes poucos preceitos:

Não dá voz ao que pensares, nem transforma em ação um pensamento tolo. Sejas amistoso, sim, jamais vulgar.

Os amigos que tenhas, já postos à prova,

Prende-os na tua alma com grampos de aço;

Mas não caleja a mão festejando qualquer galinho implume

Mal saído do ovo.

Procura não entrar em nenhuma briga;

Mas, entrando, encurrala o medo no inimigo,

Presta ouvido a muitos, tua voz a poucos.

Acolhe a opinião de todos – mas você decide.

Usa roupas tão caras quanto tua bolsa permitir,

Mas nada de extravagâncias – ricas, mas não pomposas.

O hábito revela o homem, E, na França, as pessoas de poder ou posição.

Se mostram distintas e generosas pelas roupas que vestem.

Não empreste nem peça emprestado:

Quem empresta perde o amigo e o dinheiro;

Quem pede emprestado já perdeu o controle de sua economia.

E, sobretudo, isto: sê fiel a ti mesmo , e jamais serás falso pra ninguém

Adeus. Que minha bênção faça estes conselhos frutificarem em ti.

LAERTES: Com toda a humildade, eu me despeço, pai.

POLÔNIO: Vai – que o tempo foge. Teus criados esperam. "

Adorei a parte  que Polônio diz:  “E, sobretudo, isto: sê fiel a ti mesmo.”

É isso aí, boa semana e boa leitura,

Carol S Jericó.