Ameaça de peruano a testemunha do Fifagate pode acabar em prisão

Manuel Burga teria feito gesto de "cortar a garganta" para Alejandro Burzaco

Ameaça, brincadeira ou mal-entendido? O suposto gesto de cortar a garganta, feito pelo ex-dirigente peruano Manuel Burga ao argentino Alejandro Burzaco, durante o primeiro julgamento resultante de uma investigação abrangente dos Estados Unidos sobre o pagamento de propinas no futebol internacional, pode terminar em um longo período de prisão para Burga.

Manuel Burga teria ameaçado cortar garganta de delator do Fifagate (Foto: Divulgação/Peru Football)
Manuel Burga teria ameaçado cortar garganta de delator do Fifagate (Foto: Divulgação/Peru Football)

A juíza Pamela Chen, que já pediu a reclusão imediata de Burga em prisão domiciliar até a averiguação dos fatos, pediu nesta sexta-feira (17) que seja aberta uma investigação criminal mais ampla para apurar os fatos.

No caso de comprovação do ato criminal, o peruano poderá ser condenado a um período de até 20 anos na cadeia. A informação foi postada pelo jornalista Ken Besinger, da Buzz Feed News, em sua conta no Twitter.

Segundo o jornalista, é possível que haja uma acareação entre os dois ainda nesta sexta-feira, sem a presença dos jurados, para tentar esclarecer o assunto de uma vez por todas.

Burga teria feito o gesto uma vez na terça-feira (14) e novamente na manhã de quarta. Na segunda vez, Burzaco, ex-diretor da empresa argentina de marketing esportivo Torneos y Competencias, irrompeu em lágrimas.

Bruce Udolf, advogado de Burga, negou a denúncia. "Este é um homem gentil, manso, tímido", disse sobre seu cliente. "Nunca vi nenhuma indicação de que ele estava fazendo nenhum gesto".

Udolf afirmou que Burga estava esfregando o pescoço porque sua pele estava irritada, e que Burzaco chorou porque um homem que ele mencionou em seu depoimento de terça-feira cometeu suicídio horas depois.

 

Mais lidas nesse momento