Servidores da Saúde e Educação de Picos realizam manifestação contra salários atrasados

Funcionários da pasta da Saúde deflagraram greve até que o pagamento em atraso seja feito

Servidores das secretarias de Saúde e Educação de Picos realizaram na manhã desta sexta-feira (12), uma manifestação em frente à Prefeitura Municipal por conta de salários atrasados. Representantes do Sindicato dos Servidores Municipais – SINDSERM –  também acompanharam o protesto.  Os servidores da Saúde anunciaram greve por tempo indeterminado.

Movimento aconteceu em frente à prefeitura de Picos (Foto: Divulgação/Leandro Cruz)
Movimento aconteceu em frente à prefeitura de Picos (Foto: Divulgação/Leandro Cruz)

Verônica Pereira que trabalha na Saúde afirma que somente o pagamento do mês de novembro foi feito, deixando o mês de dezembro em aberto. Ela pontua que a classe já não aguenta mais trabalhar sem receber em um período regular e que as atividades só serão retomadas, mediante a regularização salarial. Ela reforça que a categoria está unificada pela causa.

“Essa manifestação e paralisação de greve é por tempo indeterminado até que os pagamentos sejam regularizados, nós estamos com os salários atrasados. A gestão ficou sabendo que a gente ia fazer uma manifestação hoje e começou a efetuar alguns pagamentos do mês de novembro, só que ficou certo que nós iriamos receber os dois meses, mas não recebemos de dezembro. Nós não vamos ficar de braços cruzados, nós só vamos voltar às atividades, mediante o pagamento de dezembro, para pelo menos amenizar nossa situação”, relata.

Salete Leitão é professora da Rede Municipal de Ensino, ela denuncia irregularidades no pagamento dos servidores da pasta da Educação de Picos. Ela teme que a situação fique como está na Saúde, com atrasos recorrentes. Salete afirma que a categoria luta não só pelos professores, mas também por todos que compõe o quadro escolar, como merendeiras, vigias e zeladores.  A classe pode não iniciar o ano letivo caso o pagamento não seja feito de forma regular.

“A situação que a gente está vivenciando agora é uma péssima expectativa do que está passando o pessoal da Saúde, porque nós estamos com o pagamento da Educação em atraso. Isso já era uma coisa anunciada, porque vigia, zeladora e merendeira, desde o ano passado, que eles estavam recebendo depois da gente, isso era uma coisa que a gente previa de acontecer com os professores”, conta a professora.

Salete Leitão (Foto: Divulgação)
Salete Leitão (Foto: Divulgação)

A presidente do Sindserm, Edna Moura, conta que o sindicato está acompanhando de perto tudo que acontece nas secretarias e que o objetivo na manifestação é mostrar ao Poder Público Municipal que o sindicato irá lutar em 2018 para que esse ano não seja igual ao ano passado, com relação aos atrasos salariais.

“A gente precisa que o pagamento dos servidores, efetivamente tenha uma data, para que o profissional possa se programar e ele possa, efetivamente, organizar sua vida. A greve da categoria foi deflagrada no dia 08 na Saúde e hoje, nós reforçamos mais uma vez a decisão, mas já está decidida e os servidores da Saúde não retornam  às suas atividades enquanto o município não colocar em dias o pagamento de 2017”, assegurou a presidente do Sindserm.

O diretor administrativo da Secretaria de Saúde, Bruno Alves Luz, afirmou que o pagamento de dezembro deve ser feito nos próximos dias, a gestão está esperando receita do Governo Federal. Ele pontua que a previsão de entrada dos repasses dos programas federais é até o dia 15 de cada mês. Ele destaca que o objetivo é pagar a toda a classe para que a Saúde não pare.

“Realmente existia um débito com relação aos meses de novembro e dezembro, o 13º foi pago e com relação ao mês de novembro, a Secretaria de Saúde quitou o salário. E o salário do mês de dezembro, nós estamos aguardando os repasses federais. Nós estamos esperando receber essa parcela do Governo Federal, para que o município  possa também entrar com sua contrapartida, para que a gente possa estar quitando o mês de dezembro ainda em janeiro”, pontuou.

Servidores contratados e comissionados ainda não receberam o pagamento do mês de novembro e dezembro. “Os efetivos, nós estamos [em atraso] agora só com o mês de dezembro, só aguardando esse repasse, e estamos vendo a questão dos contratados e comissionados, que nós ainda temos o mês de novembro e dezembro, ontem nós recebemos o comunicado da decisão judicial e a Procuradoria Geral do Município está tomando as providências necessárias para que a gente possa estar resolvendo também essa questão dos contratados e comissionados”, acrescentou Bruno Alves Luz.

A nossa equipe tentou contato com o procurador do município, Maycon Luz, para falar sobre a situação dos servidores da Educação, mas fomos informados que ele está em Teresina. Tentamos contato por telefone, mas não obtivemos êxito.