MPF denuncia Nuzman, 'Rei Arthur' e Sérgio Cabral por corrupção

Membro senegalês do COI que teria vendido voto da Rio-2016 e seu filho também são alvos do MP. Contra Nuzman ainda denúncias por organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, Arthur César de Menezes Soares Filho (o Rei Arthur) e Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), por corrupção devido a suspeita de compra de votos para a escolha do Rio como sede olímpica em 2016. Nuzman também foi denunciado por organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Carlos Arthur Nuzman chega à sede da PF no Rio após ser preso, em 5 de outubro . Foto: Bruna Kelly/Reuters
Carlos Arthur Nuzman chega à sede da PF no Rio após ser preso, em 5 de outubro . Foto: Bruna Kelly/Reuters

Também são denunciados por corrupção o braço direito de Nuzman, Leonardo Gryner, e os senegalezes Papa Massata Diack e Lamine Diack. Lamine, integrante do Comitê Olímpico Internacional (COI), teria vendido o voto dele e negociado a venda ilegal com outros membros africanos do comitê. Papa, seu filho, teria ajudado Nuzman no negócio e recebido o dinheiro. Contra Gryner também há uma denúncia por organização criminosa.

De acordo com a denúncia, Cabral, Nuzman e Gryner solicitaram diretamente a Arthur o pagamento de US$ 2 milhões para Papa Diack, para garantir votos para o Rio de Janeiro na eleição da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016, o que configura corrupção passiva.

A defesa de Sérgio Cabral disse que é uma "sandice" imaginar que o ex-governador teria condições de negociar a realização da olimpíada. O Comitê Olímpico Brasileiro disse que não vai se pronunciar. A defesa de Nuzman ainda não se pronunciou. O G1 ainda não conseguiu contato com as defesas de Arthur Soares, Leonardo Gryner e Lamine e Papa Diack.

A denúncia equipara Nuzman e Gryner a funcionários públicos, uma vez que tanto o COB quanto o Comitê Organizador dos Jogos receberam e eram gestores de verbas públicas e exerciam, por delegação, uma atividade típica de Estado: o desporto. “Onde existe verba pública, existe dever de probidade e existe a responsabilidade daqueles que a gerem, podendo, portanto, ser responsabilizados quando atuarem em contrariedade ao que determina a lei”, completam.

Além da condenação pelos crimes tipificados, a denúncia pede a reparação por danos materiais no valor de R$ 6,34 milhões e de danos morais no valor de R$ 1 bilhão.

Nuzman está preso na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, Zona Norte do Rio, desde 5 de outubro. Ele teve a prisão preventiva decretada pelo juiz Marcelo Bretas por intermediar o pagamento de propina para que o Rio fosse escolhido sede dos Jogos Olímpicos de 2016. A defesa nega as acusações.

O pedido de prisão, diz o MPF, foi decretado porque houve uma tentativa de ocultação de bens no último mês, após a polícia ter cumprido um mandado de busca na casa de Nuzman no mês passado. Agosto deEntre os bens ocultados há valores em espécie e 16 quilos de ouro, que estariam em um cofre na Suíça.

Os procuradores afirmam, ainda, que Nuzman utilizou dinheiro da Rio 2016 para pagar o escritório de Nélio Machado, seu advogado. Em e-mail enviado no dia 25 de setembro deste ano — após ter sido levado coercitivamente para prestar depoimento —, Nuzman afirma que a Diretoria Estatutária do Comitê Rio 2016 determinou a aprovação do contrato de prestação de serviço com o escritório de advocacia, no valor de R$ 5,5 milhões.

O advogado Nélio Machado disse que já havia atendido à Rio 2016 no ano passado e que sua atuação junto ao Comitê não tem qualquer irregularidade. De acordo com o advogado, ele foi contratado para atuar na defesa da Rio 2016 e o contrato incluía defender, se necessário, os integrantes do conselho gestor, entre eles Carlos Arthur Nuzman.

As negociações

· agosto de 2009 - Há cerca de dois meses para o anúncio final, Nuzman, Gryner e Cabral se encontraram com Lamine Diack, oportunidade em que o senegalês indicou seu filho (Papa Diack) para tratar de pagamentos por “patrocinadores”.

· agosto de 2009 - Gryner foi apresentado por Cabral a Arthur Soares, aproximando-os para acertar o pagamento aos Diack.

· setembro de 2009 - Aconteceu em Paris o episódio que ficou conhecido como “Farra dos Guardanapos”, que contou com a participação de vários integrantes da organização criminosa chefiada por Cabral, inclusive Nuzman.

· 2 de outubro de 2009 - Rio foi anunciado como cidade-sede da Olimpíada de 2016.

· dezembro de 2009 - Papa Diack encaminha uma série de mensagens para Nuzman e Gryner cobrando o restante dos pagamentos devidos aos seus amigos, o que indica que houve distribuição de vantagens indevidas a outros africanos.

· dezembro de 2016 - Nuzman e Gryner concedem ao LSH Barra Hotel, da qual Arthur Soares é sócio, o perdão da multa contratual e desconto de 30% sobre o valor que o hotel deveria devolver por ter descumprido acordo firmado como o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos.